Confira 15 dicas de decoração para salas de estar | Blog Tegra
Não foi possível detectar sua localização. Selecione um estado de seu interesse para ver as melhores ofertas. X

Blog da Tegra

Confira 15 dicas de decoração para salas de estar

A nossa sala de estar é um dos cômodos mais importantes da nossa casa, pois recebemos os amigos, celebramos bons momentos e relaxamos. Por isso, decorá-la não é simplesmente empurrar os sofás contra a parede e colocar uma mesa de centro. Veja como deixá-la funcional e estilosa!

02/08/2018 • 11h00min • EM DICAS & DECORAÇÃO

Guia básico de decoração para salas de estar

 

Decorar um apartamento não significa simplesmente escolher a cor das paredes e preencher o espaço com móveis. Há muito o que considerar para criar um ambiente aconchegante e estiloso. Isso serve para todos os cômodos, mas a sala de estar é, de longe, a primeira a se pensar quando o assunto é a sua decoração. E essa preocupação não é à toa: como o próprio nome diz, a sala é o local para se “estar” e, por isso, merece atenção especial para ser transformada em um lugar confortável e versátil. Afinal, é nela que passamos a maior parte do tempo dentro de casa, seja lendo um livro, assistindo a um filme, vendo o noticiário ou apenas tirando um cochilo. É nela, também, que recebemos as nossas visitas. Dessa forma, a disposição da nossa sala de estar deve comportar todas essas funções.Para ajudar você, separamos as melhores dicas de como decorar a sua sala de um jeito fácil e funcional. Confira!

 

Acomodando a mobília

Um problema bastante comum que as pessoas têm é não saber como dispor os móveis na sala de estar. O mais comum é empurrar um sofá contra a parede, colocar umas cadeiras do outro lado e pronto. Mas a disposição da mobília requer um pouco mais de planejamento para assegurar um ambiente harmonioso e sem comprometer a circulação no local. Aqui vão algumas ideias para você começar a pensar na disposição dos seus móveis.

 

Escolha um ponto focal

Nunca subestime o poder de um ponto focal. Ele pode aparecer naturalmente como um janela, uma parede ou a lareira, na forma de um detalhe marcante na arquitetura. Mas você também pode ser criar um, como uma poltrona ou uma televisão. Como for, escolha o seu ponto focal e fique com ele! É a partir daí que você pensará na disposição do resto da mobília.

 

Crie áreas de conversação

Pense no tamanho da sua sala e pense no propósito desse cômodo. As pessoas devem conseguir conversar umas com as outras naturalmente, sem ter que virar o pescoço ou ficar berrando para serem ouvidas. Os sofás e as cadeiras devem estar posicionados de modo a permitir uma conversação agradável. Você tem que ser capaz de conversar com a pessoa à sua frente sem elevar a voz. Se a sua sala for muito grande, crie mais de uma área de conversação, como se fossem salas diferentes mesmo.

 

Equilibre o tamanho e o formato dos móveis

Balanço é sempre importante na decoração e, nesse quesito, é fundamental considerar tanto o tamanho quanto o formato dos móveis. Não agrupe todas as peças grandes em um lugar só, ou só de um lado da sala, isso faz com que o ambiente fique desequilibrado. Isso também vale para o formato de cada objeto. Se você tem cadeiras com assentos quadrados, considere colocar eles ao redor de uma mesa redonda ou vice-versa. Mistures os diferentes tipos de mobília para não criar contrastes que podem incomodar a visão.

 

Pense na circulação

Isso é um dos pontos primordiais na hora de organizar os móveis dentro de uma espaço. Ninguém quer ficar esbarrando nas outras pessoas ou tropeçar nos móveis ao passar pelo cômodo. Assegure-se de ter sempre um espaço bom entre cada móvel que deixe o caminho livre e permita a livre circulação.

 

Use a arte certa

Tudo que você quiser pendurar na parede, seja um quadro ou um espelho, precisa estar alinhado com a mobília. Não dá para colocar uma moldura pequena atrás do sofá, não combina, fica desequilibrado. Aposte em um moldura que seja aproximadamente dois terços do comprimento do sofá ou pendure mais de uma peça, por exemplo.

 

Escolhendo os tapetes

Há diversas razões para colocar tapetes na sua sala: eles dão uma sensação de conforto, de personalidade, são excelentes aliados na decoração, e funcionam bem para delimitar espaços. De maneira geral, eles devem ter um tamanho que possibilite colocar toda a mobília por cima, mantendo uma distância ideal de cerca de 25 cm das paredes. Mas nem sempre é fácil escolher aquele que melhor se encaixa na sua sala. As pessoas sempre ficam em dúvida sobre o tamanho, o material, a cor e outras coisas mais. Então, antes de você comprar qualquer um só porque achou bonito, vamos conferir algumas dicas que podem facilitar a decisão.

 

Tamanho

Escolher o tamanho ideal do tapete é fundamental. Tenha em mente que ele deve ficar embaixo de todos os principais móveis da sua sala - se isso não for possível, coloque, ao menos, os pés frontais de cada peça sobre o tapete. Mas os móveis menores devem ficar totalmente sobre a tapeçaria. Primeiro você já deve ter decidido a disposição da mobília para depois verificar qual é o tamanho necessário do tapete.

Se sua sala é muito grande e você criou diversas áreas de conversação nela, use um tapete para cada área. Eles não precisam ser iguais, mas têm que combinarem em coloração e padrão.

 

Cor e padronização

Os tapetes são como obra de arte e dão personalidade e estilo ao ambiente. Não fique com medo de apostar em cores e padronizações mais ousadas. Só não se esqueça da harmonia com a mobília: o tapete não deve se sobressair nem vice-versa. Use a criatividade com bom senso!

 

Planejando a iluminação

A iluminação é essencial para qualquer ambiente. Para começar a planejar a iluminação de um cômodo, é necessário entender como funciona a luz natural nesse lugar. Quando bate o sol? Qual parte da sala fica mais iluminada? Até que horas a luz solar incide? Depois de responder essas perguntas, começamos a pensar como otimizar essa luz. Explore a luz do dia que entra por cada janela, use cortinas e venezianas leves e claras, e evite que estantes ou outros móveis bloqueiem a entrada da iluminação.

Depois de estabelecer a luz natural, é hora de pensar na luz artificial. Para a iluminação geral da sala, o ideal é utilizar uma luz difusa que espalha e suaviza a intensidade por todo o ambiente. Trata-se de uma luz mais confortável, ideal para ambientes de maior permanência.

 

Há diversas formas de conseguir isso: plafon, lustres, sanca, led embutido, spot de trilho, rasgo de luz, e tudo mais que a sua imaginação quiser. Só depende do seu gosto, da sua sala e do seu bolso.

 

Lâmpadas

Há três modelos de lâmpadas no mercado que podem ser usadas na iluminação da sua sala: as halógenas, as fluorescentes e as de LED. A comercialização das comuns incandescentes foram proibidas em 2015 devido ao alto consumo de energia.

As opções halógenas consomem menos energia, apresentam efeito de luz amarelada e um visual repleto de filamentos ao seu redor. Bastante econômicas e duráveis, as lâmpadas fluorescentes estão disponíveis no mercado em versão amarelada (com 2.700 k) e branca (de 6.500 k). Já as lâmpadas de LED, por sua vez, são as de maior durabilidade e baixo consumo de energia. Elas também podem ser encontradas com luz amarela e a versão branca.

 

Colorindo as paredes

Escolher a tinta é um grande desafio. Mas uma simples dica pode te ajudar: escolha toda a sua mobília e objetos decorativos, depois você escolhe a tinta que combine com eles!

Sobre a cor, você pode, e deve, quebrar todas as regras! Abuse da sua criatividade, aposte em cores vibrantes e combinações diferentes para dar um toque de autenticidade ao ambiente. É possível conseguir exatamente o tom que desejar através da mistura de tintas: para isso, é fundamental conferir as amostras de cores para garantir que a sua casa ficará na cor que escolheu.

Quanto aos outros aspectos, alguns cuidados devem ser tomados.

 

Tipo de tinta

Na hora da compra, existem diversos tipos de tinta disponíveis no mercado. O primeiro critério para a escolha deve ser se o ambiente recebe água ou a ação do tempo.

 

1. Látex PVA: à base de água, é indicada para áreas internas e secas, já que não é muito resistente à água, à ação do tempo ou até mesmo ao alto tráfego de pessoas.

2. Tinta acrílica: impermeável, é muito utilizada em pintura de áreas externas e áreas molhadas da casa.

3. Super lavável: é um tipo de tinta bem resistente a limpezas e lavagens, que pode ser utilizada em ambientes internos e externos.

4. Inodora: produto que perde o cheiro de tinta em até três horas, bastante utilizada para pintura de casas com crianças e animais domésticos. Assim como a super lavável, esse tipo de tinta também pode ser utilizado em interiores e exteriores.

5. Tinta epóxi: é uma tinta que apresenta muita resistência à água e a produtos de limpeza, sendo ideal para áreas próximas a piscinas e caixa d’águas, assim como para cozinhas e banheiros.

 

Quantidade de tinta

Para não errar na hora de comprar tinta de parede, você deve calcular a metragem quadrada que será pintada (altura x largura das paredes). Além disso, é importante considerar quantas demãos de tinta você deseja passar, lembrando que quanto mais tinta, mais intensa é a cor final das paredes; e que é bom existir um pouco de sobra para possíveis remendos e um melhor acabamento. Normalmente, as embalagens de tinta incluem a informação de quantos metros quadrados é possível pintar com aquela quantidade.

Gostou da dica? Quer saber mais?

Não deixe de conferir nenhuma novidade no novo blog da Tegra. Temos certeza que você irá se surpreender!


Chat
Olá! Como podemos te ajudar?
Já sou cliente Quero trabalhar na Tegra Quero ser fornecedor Quero comprar um Tegra
Ligue e fale com um corretor Tegra
11 3197-2990
Whatsapp
E-mail
Chat