Não foi possível detectar sua localização. Selecione um estado de seu interesse para ver as melhores ofertas. X

Blog da Tegra

Decoração minimalista: aprenda tudo sobre esse estilo

O que será que uma decoração minimalista tem de diferente? Conheça este estilo que está ganhando cada vez mais espaço no design de interiores. Acesse!

09/11/2020 • 10h00min • EM DICAS & DECORAÇÃO

Uma fotografia de uma sala com um sofá, uma mesinha no canto com uma planta, luminária pendente e uma poltrona. Um exemplo de decoração minimalista.

O que será que uma decoração minimalista tem de diferente? Podemos dizer que o racionalismo é uma das principais características desse estilo.

Nada é por acaso. Tudo que é colocado na decoração tem um propósito, uma utilidade. Não há espaço para o supérfluo ou desnecessário. Contudo, mesmo com o conceito “menos é mais”, os ambientes não deixam de ter charme e sofisticação. 

O minimalismo é um movimento que começou nas artes plásticas e influenciou o estilo de vida das pessoas, atingindo a arquitetura e o design de interiores, dando origem à decoração minimalista como conhecemos hoje. E tem ganhado cada vez mais espaço nesta era que valoriza o consumo consciente.


O que é decoração minimalista?

A decoração minimalista reflete um estilo de vida de quem busca viver com a premissa “menos é mais”. É para quem deseja ter apenas o essencial e valoriza a funcionalidade de cada objeto. Aqui, os elementos puramente decorativos são pouco ou nada utilizados. 

O conceito minimalista traz a simplicidade do mobiliário como foco principal na decoração, o que não significa ser algo desinteressante ou sem vida. Os ambientes podem ser cheios de elegância e personalidade com móveis inteligentes, multifuncionais e com design diferenciado.


Como surgiu o minimalismo

A expressão “minimalismo” (do inglês, “minimal art”) faz referência aos movimentos estéticos, científicos e culturais que surgiram em Nova York, entre o fim dos anos de 1950 e início da década de 1960.

Eles primavam pelo mínimo de recursos e elementos utilitários, reduzindo todos seus aspectos ao nível essencial.

Nas artes plásticas, por exemplo, um grupo de artistas passou a privilegiar as formas geométricas simples, puras, simétricas e repetitivas. Na música, a influência foi na composição com poucas notas musicais.

No campo literário, o minimalismo se caracterizou pela produção de minicontos.

Dicas para começar a decorar com o conceito minimalista

Agora que já entendemos o conceito, vamos colocá-lo em prática? Já imaginou viver em uma casa com muito espaço, poucos móveis e acessórios? Além do aspecto visual, uma estética limpa e organizada pode transmitir sensações de tranquilidade, foco e disposição. Temos aqui algumas dicas para começar a trazer essa atmosfera para o seu lar. 

Desapegue: é hora de repensar as suas decisões. Doe, venda ou troque tudo o que não estiver sendo utilizado. 

Menos é mais: opte por móveis práticos e fáceis de manter. A chave é privilegiar os espaços vazios, mantendo o ambiente livre.

Limpeza em dia: manter o local com aspecto clean também envolve limpeza da casa, dos móveis e objetos.

Aposte na praticidade: móveis e acessórios práticos são sinônimos da decoração minimalista. Se uma peça, móvel ou objeto substitui a existência de três produtos, opte pelo mais prático.

Principais características da decoração minimalista

Nesse tipo de ambiente, é comum o predomínio de linhas quase sempre retas e traçados geométricos ao invés das curvas e da sinuosidade típicas de outras decorações.

Móveis

Os móveis minimalistas são escolhidos com muita cautela para não obstruir o espaço. É tudo muito racional. As opções são pautadas essencialmente pela função que eles exercem. Móveis inteligentes, como a cama futon, pufes e cabideiros, são facilmente encontrados nestes ambientes.

As prateleiras abertas devem ser evitadas, pois agregam pouca função neste conceito. Mas, se for usá-las, o ideal é dispor de poucos objetos.

Simplicidade nos detalhes

As janelas, por exemplo, são lisas e sem peitoris. Já os rodapés são planos e o chão é polido. As bancadas costumam ser revestidas de granito.

Geralmente, as portas, os armários e as gavetas não possuem puxadores. O design prioriza as linhas retas, sem interferências desse tipo.

Enquanto outros estilos de decoração valorizam as texturas e estampas, o minimalismo dispensa. A preferência aqui é por ambientes mais “despidos”.

Cores

As cores também têm sua função na decoração minimalista. Em geral, é possível destacar uma preferência pelas tonalidades básicas, como o branco, o preto, o azul, o bege e suas variações mais sóbrias.

E as cores vibrantes? Bom, neste conceito que valoriza o aspecto clean do ambiente, as cores vibrantes não entram na cartela da decoração. Segundo as regras minimalistas, elas podem causar ruído visual.

Iluminação

Os espaços amplos e com muita luz natural também são características dos ambientes minimalistas. Quanto mais claro, melhor. A claridade permite que o local pareça mais amplo. 

A iluminação artificial deve ser pontual, como os focos embutidos no teto. Aposte em abajures ou luminárias com design simplista e moderno. Lembre-se: eles só devem ser incorporados se forem essenciais.  

Cortinas? Nada de excessos de pano. O estilo minimalista pede luz natural, portanto, o mais adequado é optar por estores simples ou blackouts.


Equipamentos

E os eletrodomésticos e equipamentos eletrônicos? Esconder ou mostrar? Como os elementos decorativos são pouco ou nada usados nos ambientes, esses objetos acabam assumindo esse papel e podem ajudar a compor a decoração.

Paredes

Nas paredes, a melhor aposta é ter poucos quadros e com molduras modernas, mas sem muitos detalhes.

E para trazer um ponto de cor ao ambiente, uma planta no canto da sala ou um vaso sobre a mesa já é suficiente. Até mesmo as plantas devem ser usadas com cuidado para não se destacarem demais. 

Como você viu, a decoração minimalista é baseada na simplicidade, mas sem deixar de lado a elegância do design.

Se por um lado os elementos puramente decorativos são quase ausentes, por outro cada objeto é escolhido a dedo para impactar (e compensar) na composição. 

A extravagância e o excesso são deixados de lado na hora de escolher cada móvel, objeto e elemento. Leva-se em consideração, essencialmente, suas funções e razão de existir no cômodo.

Adotar um modo de vida minimalista pode não ser fácil, principalmente para quem tem um estilo de vida consumista.

Mas se você está decidido a desapegar de algumas coisas e viver com o essencial, pode valer a pena aderir a esse tipo de decoração.

Gostou dessas dicas? Não deixe de ler também aqui no Blog da Tegra:

Conheça as tendências de decoração que estão em alta no momento

Veja algumas ideias para ser mais sustentável em sua decoração

Receba nossas notícias e informações exclusivas diretamente no seu e-mail


;

Proteção de Dados Pessoais

A Tegra utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência
de acordo com nossa Política de Privacidade . Ao continuar navegando, você aceita estas condições.
Acesse nossa Política de Privacidade e saiba como tratamos dados pessoais.

;