Entenda o que é o ITBI e como calculá-lo | Blog Tegra
Não foi possível detectar sua localização. Selecione um estado de seu interesse para ver as melhores ofertas. X

Blog da Tegra

Entenda o que é o ITBI e como calculá-lo

O temido ITBI é o imposto cobrado para a transferência de imóveis. Ele está presente em quase todas as transações imobiliárias e o seu valor pode chegar a 3% do valor do imóvel. Aprenda a calcular esse imposto e não seja pego de surpresa na hora de comprar a sua casa!

01/08/2018 • 14h48min • EM MERCADO

Se você acha que para comprar um imóvel basta pagar ao vendedor o valor pedido pelo imóvel, você está enganado. Além desse custo, há o gasto referente ao registro do imóvel no seu nome, ou seja, todo o trâmite para transferir a casa ou o apartamento para o seu nome e você ser, finalmente, considerado o dono oficial do imóvel (veja o passo a passo de como registrar o seu primeiro imóvel). Quem já comprou um imóvel, descobriu, nesse processo, a existência do temido ITBI. Essa é a sigla para Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis, que é o imposto cobrado pelas Prefeituras Municipais para transferir o imóvel para o novo proprietário.

Toda vez que um imóvel tiver que ser transferido de uma pessoa para outro, esse imposto será cobrado, e só depois do seu acerto é que a transmissão poderá ser oficializada. O valor cobrado varia de acordo com a cidade e com o valor do imóvel. Descubra, a seguir, como calcular o ITBI para o seu novo imóvel e não seja pego de surpresa na hora de comprar a sua casa!


Como calcular o ITBI?


A alíquota do ITBI varia de cidade para cidade e pode chegar até 3% sobre a base de cálculo da transação. Até 2015, o tributo na cidade de São Paulo era de 2%, mas agora ele passou para 3%. Outras cidades seguiram essa tendência: Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Distrito Federal passaram a cobrar essa alíquota também. Para entender como calcula o imposto, o procedimento é basicamente multiplicar a base de cálculo pelo percentual estabelecido. A base de cálculo considera o valor venal do bem - ou seja, o valor pelo qual o bem seria negociado em condições normais de mercado para compra e venda à vista - e o valor venal de referência calculado pelas Prefeituras Municipais, e ela é o maior valor entre os dois.

O valor venal de referência do imóvel pode ser consultado no site da Prefeitura do município onde ele se encontra. Basta digitar o número de IPTU dele. Acesse aqui o site de consulta para a cidade de São Paulo.

Numa simulação simples, vamos considerar um imóvel com valor venal de R$200 mil. Precisamos verificar o valor venal de referência, compará-lo com o valor venal e ver qual é maior. O maior será usado no nosso cálculo. Então, supondo que o maior valor é o valor venal mesmo, a conta fica assim:


ITBI = 200.000 x 3% = 6.000 (considerando a alíquota para São Paulo)

Logo, o valor a ser pago de ITBI para transferir um imóvel de R$200 mil é de R$6 mil.


Porém, essa equação básica só é válida para a compra direta do imóvel. Quando a compra for feita com o auxílio de um financiamento, o valor do imposto muda.

Nas transmissões compreendidas no Sistema Financeiro de Habitação (SFH), no Programa de Arrendamento Residencial (PAR) e nas que envolvem a Habitação de Interesse Social (HIS), aplica-se a porcentagem de 0,5% sobre o valor financiado, até o valor de limite máximo. Lembrando que esse limite varia com o município e com o ano. Em São Paulo, o limite máximo para transações ocorridas a partir de 01/01/2018 é de R$ 88.714,99. Sobre o restante do valor que exceder esse limite, financiado ou não, aplica-se a porcentagem de 3%. E o valor do imposto a ser pago é a soma dessas duas parcelas.


A equação fica assim: ITBI = (F) * 0,005 + (BC - F) * 0,03

Sendo:

BC = Valor venal do imóvel ou Valor venal de referência (qual for maior)

F = Financiamento pelo SFH, PAR ou HIS até o limite de R$ 88.714,99

Vamos aos exemplos, considerando um imóvel de R$ 200 mil em duas situações:

 

  1. Financiando R$ 100 mil

O valor financiado supera o limite máximo, então a alíquota de 0,5% será sobre o valor de R$ 88.714,99. No restante (200.000 - 88.714,99), será aplicada a alíquota de 3%.

R$ 88.714,99 * 0,5% = R$ 443,57

R$ 200.000 - R$ 88.714,99 = R$ 111.285,01 * 3% = R$ 3.338,55

ITBI = R$ 443,57 + R$ 3.338,55 = R$ 3.782,12

Nesse exemplo, o valor do imposto a ser pago é R$ 3.782,12

 

  1. Financiando R$ 70 mil

O valor financiado não supera o limite máximo, então a alíquota de 0,5% será sobre todo o valor do financiamento. E no restante (200.000 - 70.000), aplicaremos os 3%.

R$ 70.000 * 0,5% = R$ 350,00

R$ 200.000 - R$ 70.000 = R$ 130.000 * 3% = R$ 3.900,00

ITBI = R$ 350 + R$ 3.900 = R$ 4.250,00

Ou seja, o tributo a ser cobrado pelo valor financiado é menor do que o tributo do valor à vista ou do restante. Porém essa redução só funciona até um limite máximo, estabelecido pela Prefeitura Municipal e atualizado a cada ano.

 

Quando há isenção do ITBI?


Há três casos nos quais a isenção do imposto se aplica.

  • Na compra do primeiro imóvel até o valor de R$163.781,53 (o valor é atualizado a cada ano)
  • Quando um imóvel é incorporado ao patrimônio de empresa (pessoa jurídica) em pagamento de capital nela subscrito. Exemplo: quando eu “aporto” ou “integralizo” um imóvel de minha posse na pessoa física em uma empresa em troca de cotas ou ações;
  • Quando há incorporação ou fusão de uma empresa (pessoa jurídica) por outra ou com outra. Exemplo: quando uma empresa que possui imóvel(is) é adquirida ou faz fusão com outra e os imóveis que são de sua posse estão incluídos na transação.

Porém, essas regras de não incidência não se aplicam para empresas e negócios de caráter imobiliário. Ou seja, quando a empresa (pessoa jurídica) envolvida no negócio tenha como atividade principal a venda ou locação de propriedade imobiliária ou a cessão de direitos relativos à sua aquisição, as suas transações não estão isentas do ITBI.

Gostou da dica? Quer saber mais?

Não deixe de conferir nenhuma novidade no novo blog da Tegra. Temos certeza que você irá se surpreender!