Não foi possível detectar sua localização. Selecione um estado de seu interesse para ver as melhores ofertas. X

Blog da Tegra

Curiosidades sobre os 5 bairros nobres do Rio de Janeiro

Diferentemente de São Paulo, a cidade do Rio de Janeiro possui uma menor diversidade de perfil por região. Enquanto que São Paulo tem áreas nobres espalhadas por toda a cidade, o alto padrão carioca está praticamente todo concentrado na zona sul. Entenda!

13/06/2019 • 18h20min • EM MERCADO

Leblon, Ipanema, Gávea e Jardim Botânico são os bairros mais nobres do município e formam um verdadeiro oásis natural no meio do urbano. Aproveitando essa proximidade entre essas regiões, o passeio vale a pena! Confira algumas curiosidades sobre essas regiões e descubra o que elas têm de especial!


Leblon

Cenário de novelas e inspiração de músicas, o Leblon é um local único. Conta a história que o seu nome vem como uma homenagem ao empresário francês, Charles Le Blond, que era dono de parte das terras da orla da zona sul e possuía uma empresa de pesca de baleias. Sua chácara ocupava metade do atual bairro, indo da atual Rua Bartolomeu Mitre até o fim da praia. O local era conhecido como “Campo de Le Blond” e, posteriormente, foi abreviado para Leblon.

A urbanização do bairro teve início no século XX, com a construção de ruas, avenidas e praças. A partir de 1920, foi implantado um sistema de saneamento que melhorou bastante o bairro. Nas décadas seguintes, a especulação imobiliária fez com que muitas casa fossem derrubadas para dar lugar a prédios luxuosos.


Ipanema

Eternizado pela canção de Tom Jobim, o bairro de Ipanema é o queridinho de todos que passam pela Cidade Maravilhosa. Reduto da classe média carioca e internacionalmente famosa, o bairro foi fundado em 1894 pelo Conde de Ipanema. O nome significa “água ruim” ou “rio sem peixes”, em tupi-guarani, e, por incrível que pareça, faz referência a uma região de Sorocaba, interior de São Paulo, onde José Antonio Moreira Filho, o conde, nasceu.

E depois de sua fundação, o bairro serviu cenário de um duelo digno de Faroeste. E os protagonistas não foram Sergio Leone nem Clint Eastwood. Conta a história que o senador gaúcho, Pinheiro Machado, duelou com o jornalista e diretor do Jornal Correia da Manhã, Edmundo Bittencourt, nas areias de Ipanema. O fato ocorreu durante o mandato do presidente Afonso Pena, quando Pinheiro Machado, um político conservador, sentiu-se ofendido com as declarações do Jornal sobre a sua pessoa e, então, desafiou publicamente o redator-chefe do impresso, propondo um duelo. O local escolhido foi a praia de Ipanema, mais precisamente na Avenida Vieira Souto. Assim como nos filmes, posicionaram-se um de costas para o outro, deram 10 passos e atiraram. No fim, o senador se saiu melhor e Edmundo Bittencourt ficou ligeiramente ferido com um tiro na lateral dos quadris.

Hoje, essa história é passado e quase ninguém se lembra dela. O bairro de Ipanema se desenvolveu para uma realidade bem pacífica, inclusive é bastante conhecido como reduto da comunidade LGBT, com atrações que buscam cativar este público.

 

Gávea

Bastante residencial, a região é repleta de casarões e sobrados, e, aos poucos, vem dando espaço para os prédios mais modernos.

Com localização estratégica, o bairro é bastante importante para a mobilidade de toda a cidade. A avenida Padre Leonel Franca, principal via do bairro, faz a ligação da zona sul a São Conrado, até chegar na zona oeste. Já as ruas internas, como a das Acácias, a João Borges e a Marquês de São Vicente, que leva ao Jardim Botânico, são verdadeiros recantos, com muita tranquilidade e verde, o que faz da Gávea um lugar muito cobiçado para se viver.

Além das muitas árvores e canteiros espalhados pelas ruas, o Parque Natural Municipal da cidade está localizado no bairro com uma área de 500 mil m² e inúmeras árvores frutíferas e espécies raras, como o pau-brasil. Ali também fica o Museu Histórico da cidade, que preserva cerca de 20 mil peças, entre elas, o trono de Dom João VI, esculturas do Mestre Valentim e gravuras do pintor e desenhista francês Jean-Baptiste Debret.

Por estar próximo à Lagoa Rodrigo de Freitas e rodeado de áreas verde, o clima do bairro tende a ser mais ameno do que o do restante do Rio de Janeiro.


Lagoa

A região no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas é uma das mais procuradas do Rio de Janeiro. Repleta de área verde e ruas tranquilas, o bairro atrai a classe média e é um convite à prática de diversos esportes, como remo e esqui aquático na própria lagoa e ainda oferece uma ciclovia de 7,5km de extensão no seu contorno. No quesito natureza, a região é bem generosa. Não é só a Lagoa que encanta por lá. O bairro também é o endereço do Parque do Cantagalo, do Parque das Taboas, do Parque da Catacuma e do Parque dos Patins. Essa extensa ocupação de áreas verdes faz com que a população do bairro seja relativamente baixa considerando a área total, o que resulta na escassez de terrenos para novas construções imobiliárias e eleva o preço dos imóveis.

Majoritariamente residencial, o bairro não oferece comércio forte como os bairros vizinhos de Ipanema, Leblon e Copacabana. Mas no quesito mobilidade, a região é crucial para a cidade. Lá está uma das entradas do túnel Rebouças, que liga a zona sul à zona norte. E suas principais vias são as Avenidas Borges de Medeiros e Epitácio Pessoa, que contornam a Lagoa e o Canal do Jardim de Alah. Há também a Avenida Alexandre Ferreira e a Rua Fonte da Saudade, que ligam a Lagoa ao bairro do Humaitá. Outro eixo viário importante é a auto-estrada Lagoa-Barra, que além de passar pela Lagoa, serve aos bairros da Gávea, São Conrado, Joá e Barra da Tijuca, sendo a principal ligação entre as zona sul e oeste


Jardim Botânico